quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Individualidade - Medo de ser você mesmo?





Todos nós somos indivíduos, mas podemos ter muito a ver com o tipo de indivíduo que queremos ser. Todos conhecem o ditado: “Tal pai, tal filho”, ou: “Filho de peixe, peixinho é”. Com isso, queremos dizer que a hereditariedade tem um papel importante na determinação de nossa natureza básica.

Realmente herdamos muitas características físicas e mentais, tantos bons como ruins. O problema é que não podemos colocar a culpa de tudo de desagradável que existe em nós na hereditariedade, porque podemos nascer de novo e tornar-nos novas criaturas.

O meio ambiente desempenha um papel importante em tornar-me quem sou. Mas, o que faz a diferença é a escolha individual. Ao ouvirmos a voz do Espírito Santo a nos guiar e ensinar, somos moldados e transformados exatamente no tipo de pessoa que gostaríamos de ser.

Como cristãos, somos conscientes de que não fomos chamados apenas para fora da escuridão, mas recebemos a tarefa específica de levar a outros uma mensagem especial. Deus deseja usar cada um de nós, e cada um pode dar sua contribuição. Ele valoriza sua individualidade.


Pense: “Qual é, especificamente, a missão de minha vida hoje?”
Cada um tem uma individualidade própria, o que torna óbvio o deleite de nosso Criador diante da variedade e diversidade.


Quando Saulo de Tarso encontrou-se com Jesus (Atos 8:1 e Atos 9:1), houve uma mudança radical em sua vida. Passou a chamar-se Paulo, e toda a dedicação e energia que ele demonstrava quando era Saulo permaneceram quando se tornou apóstolo. Esse traço de personalidade não mudou. Foi apenas redirecionado (Mateus 19:26). Se há alguma característica em sua vida que você gostaria que Jesus mudasse, passe algum tempo orando, pedindo a Deus que o ajude a superar os aspectos menos atraentes de sua personalidade para que você possa se tornar mais semelhante a Ele.