segunda-feira, 8 de abril de 2013

O PRIMEIRO MÊS DE VIDA E O PRIMEIRO MILAGRE.

Nasci em vinte quatro de novembro de 1988, branco, cabelos loiros, e olhos esverdeados mais que logo ficaram castanhos claros. Meus Pais Cristãos na época. No primeiro dia de vida parecia um bebê qualquer, mas, para tristeza de todos de minha família nasci com uma doença e meu corpo não aceitou o tipo sanguíneo que nele estava, por fim logo os médicos perceberam que não tinha nada o que fazer se não esperar minha morte. Mais chegou um medico novo, assumiu o Hospital onde eu estava internado e vinha com novos métodos da medicina, no meu caso ele veio a falar que tinha um só jeito de salvar a minha vida se não fazer uma transfusão de sangue.  

Este método seria perigoso porem o único a tentar, este medico chamou a todos de minha família e pediu uma coleta de sangue para saber qual era o mais compatível com o que meu corpo precisava, por fim ninguém tinha este sangue. Mais meu pai lembrou-se de um ex-namorado de minha mãe que tinha este sangue que o medico dizia ser compatível o (o+) este homem, amigo de minha mãe e de meu pai. Alto de pele negra, para muitos de minha família não iria dar certo, naquela época o racismo era muito comum, eu por ser um descendente de italiano não poderia receber um sangue de um negro, ninguém aprovou a ideia, mas ele fez a coleta e deram positivos os exames.

Meus familiares ficaram impressionados, paralisados e com raiva! Mas o tempo não era meu amigo, naquela época, ou eu fazia a transfusão de sangue ou eu morreria. Então meus pais aceitaram a ajuda e modificaram meu sangue em 100%, o método funcionou, mas minha mãe não conseguia me amamentar e nem se quer comer eu comia, então fiquei desnutrido adoeci novamente por falta de comida e isso prejudicou muito meu desenvolvimento, e eu já ia completar um Mês de vida e não dava sossego a ninguém à minha volta. Meu pai evangélico protestante levou um grupo para fazer uma oração ao leito onde eu estava, porém, meu pai viu uma pessoa alta, sem bíblia e com a pele perfeita ao grupo dele, este homem pediu para ficar sozinho no leito onde eu estava, e, pediu para meu pai ir com o grupo de oração para o leito da frente onde estava minha mãe. 

Também adoecida com depressão desacreditada da vida, lembrando que já tinha perdido seu primeiro filho com cinco meses de gestação, e eu a beira da morte com quase um mês de vida. Logo que o grupo entrou no quarto que minha mãe estava e eles fizeram uma oração para ela, e o grupo foi embora. Minha mãe decidiu entregar sua vida a DEUS mais uma vez e levantou as mãos para o céu e pediu que a partir daquele momento, eu fosse entregue nas mãos dele, e que se eu melhorasse também seria filho dele e viveria para Ele. Então meu pai se lembrou do homem educado que estava comigo e foi ao encontro dele minha mãe, que se levantou da cama e pediu para meu pai levá-la para conhecer este homem, e logo na vidraça da porta minha mãe viu aquele homem e se arrepiou, e caiu no colo do meu pai. 

Quando minha mãe acordou logo se levantou, e como se não tivesse mais nada ela abriu um sorriso e falou meu filho terá uma vida, falou com voz de profetiza mento. Meu pai abriu a porta e aquele homem que estava ao meu lado, havia desaparecido ele não abriu a porta e nem pulou a janela, não estava de baixo da minha cama. E minha mãe com autoridade tomou-me aos seus braços e pediu obrigado Deus por enviar um anjo para salvar seu filho. Meu pai espantado olhando sua mulher dizendo isso chorou e também agradeceu. Os médicos as enfermeiras e todos do corredor davam gargalhadas irônicas, como se meus pais estivessem loucos quando a eles contaram. E o medico disse: veja esse menino ele não tem mais que três dias de vida, já passou por uma transfusão de sangue e continua a piorar sem comer não aguenta segurar uma folha de papel, zombou o medico.

Minha mãe colocou-me no leito e disse olhem todos como meu DEUS é fiel, ela pegou uma mamadeira de porte médio para minha idade e eu segurei como se estive segurando uma folha de papel o medico chorou pediu perdão por zombar de mim e falou que o DEUS dela tinha curado seu filho. Um modo de ser feliz: Apesar de tanto sofrimento, tanta descrença, tanta desgraça, pessoas incrédulas, DEUS sempre é fiel para aqueles que o adoram, e, se humilham na presença dele. Acreditem no sobrenatural, pois hoje eu estou vivo porque DEUS entrou em minha vida para sempre, mesmo eu sendo um pecador, DEUS honrou o nome dele e mostrou que este é um modo de ser feliz acreditando no impossível.



Mateus: Capitulo 18, Versículo 10.
Vede, não despreze algum destes pequeninos. Porque eu vos digo que os seus anjos nos céus sempre veem a face de meu pai que está nos céus.


Está Historia é Real não é uma historia fictícia.
Blendon Fantoni.